Não passou no SISU? Veja outras opções

O Sistema de Seleção Unificada (SISU) é hoje um dos principais programas oferecidos pelo Governo Federal. Em que são distribuídas vagas nas universidades públicas do país. Mas, caso a nota que o candidato conquistou no ENEM não seja suficiente para sua classificação, é possível contar com outras opções de ajuda.

Notas de corte SISU

As notas de corte SISU definem o mínimo que deve ser conquistado na prova do ENEM para estar entre os classificados da vaga pretendida. Essa média considera o número de vagas disponíveis por instituição, curso e turno e quantas pessoas se inscreveram para essas oportunidades.

Como o critério para desempate sempre será a pontuação no exame, quanto mais pessoas se candidatam para aquele curso, maior será a nota de corte.

Ainda existe a disputa em ampla concorrência. E em política de cotas, em que fica reservada uma parcela das vagas para negros, pardos, índios, estudantes oriundos da rede pública e pessoas de baixa renda.

Durante o período de inscrições no SISU, o candidato consegue monitorar sua colocação com a divulgação das notas de corte. O próprio sistema faz essa relação de nota e classificação.

Não passei no SISU, e agora?

O SISU abre inscrições duas vezes ao ano, em janeiro e junho. E caso o candidato não consiga sua classificação na primeira chamada, pode se inscrever na lista de espera, para vagas remanescentes.

Se ainda assim, a classificação não for possível, existem outras possibilidades. A primeira é: caso não tenha conseguido sua chance em janeiro, busque a oportunidade em junho. Ou ainda, faça o ENEM novamente para tentar a vaga no ano seguinte.

Busque vestibulares de instituições públicas que não utilizam o SISU como forma de ingresso dos calouros. Por exemplo, a Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Outra possibilidade é iniciar um curso de graduação pago, mas contando com a ajuda de programas privados que fornecem bolsas de estudos. Como o Educa Mais Brasil 2020 e o Quero Bolsa 2020.

Programas do Governo Federal para universidade particular

Se a ideia é iniciar o curso superior naquele ano, o interessado deve sim buscar outros meios para conseguir essa oportunidade. Como foi dito, programas particulares fornecem bolsas de estudos em instituições privadas.

E o Governo Federal também auxilia nessa proposta. Trazendo opções que utilizam a nota do ENEM, e abrem inscrições em janeiro e junho, como:

  • PROUNI: podendo fornecer bolsa de estudos de 50% a 100%, conforme o perfil socioeconômico do candidato;
  • FIES: financia o curso e permite que o estudante pague pelo valor com juros menores e após a conclusão da graduação.